HOMENAGEM À GRANDE POETISA MARIA JOÃO BRITO DE SOUSA por JOAQUIM SUSTELO

Comentários

  1. Admiro o que escreve.
    Desejo-lhe saúde.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito grata , Ana Tapadas.
      Retribuo os votos de boa saúde, bem como o beijinho.

      Eliminar
  2. Gostei dos termos soneto
    Por sobre um fio de navalha
    Que se o equilíbrio falha,
    Não há o quarto terceto!

    Mas é capim ou graveto
    Que com centelha espalha
    À chama formando a malha
    Que enreda pólen e gameto

    A grande fecundação
    Como se um embrião
    Dando à luz ao que sentia

    O poeta na expressão
    Que não versejou em vão,
    Redundando em poesia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Redundando em poesia",
      Chegou-me o seu sonetilho
      Que do meu não sendo filho,
      Me trouxe muita alegria!

      Grata pela cortesia,
      Aqui "desgarro" e partilho
      O pequenino rastilho
      Da chama que nel` luzia.

      Traz o seu silo bem cheio
      E este meu mal chega a meio
      Do que antevejo do seu,

      Mas arrisco e, sem receio,
      Esta fraca chama ateio
      Ao pavio que hoje acendeu.

      Maria João

      Eliminar
    2. "O pavio que hoje acendeu"
      Fez fogo dentro de mim
      Por sentir seres afim
      Do versejar, feito eu

      Que versejo, mas o meu
      Engenho, que é ruim,
      Evidencia-se assim
      Cotejado ao engenho teu.

      De qualquer forma, Maria
      Versejar é uma mania
      Vinda do avô materno

      Louco pela poesia
      Que a declamava e sentia
      Ser o belo um sonho eterno.

      Maria, Maria!... Pensei que eu soubesse versejar, mas ao encontrar pessoa com verve tão privilegiada, baixo o meu facho diante de ti, um sol! Parabéns, querida amiga! Não quero perder este contato teu. Haveremos de sermos bons amigos para trocarmos figurinhas! Gostei imensamente dos teus versos! Parabéns!

      Eliminar
    3. "Ser o belo um sonho eterno"
      Que não tem nem terá fim...
      Ah, também eu penso assim,
      Tal qual meu avô paterno!

      Estou, porém, num desgoverno;
      Mal tenho tempo pra mim
      Mas, num pequeno interím,
      Aceito-lhe o gesto terno.

      Não sei se será mania,
      Mas , decerto, é compulsão;
      Talvez tenha poesia

      No lugar do coração,
      Ou será mesmo heresia
      Não saber dizer que não?

      Mª João


      Fico-lhe muito grata, Silo Lírico.

      Raramente venho a este blog, mas a verdade é que vivo mesmo muito literalmente no fio da navalha e é sobre esse mesmo fio que teço os meus sonetos...

      Eliminar
  3. "Não saber dizer que não",
    Por amor de Deus, Maria!...
    És o farol que eu sentia
    Dentro do meu coração

    E nunca soube a razão
    Dessa luz que me alumia
    Como um facho que faz dia
    Às noites que passo em vão

    Sem escrever um só verso.
    E ora, achei o universo
    Onde posso versejar

    Com quem não pensa diverso,
    Por ter espírito imerso
    Na luz - merece um altar!

    Maria, és uma Florbela ressuscitada, um Bocage falsificado ou um Camões intimidado com o presente. És a minha poetisa! Quero mais! Quero mais!... Quero conhecer tua obra e quem sabe um dia te ver "em carne e osso", como se dizia. Grande abraço e um beijo na tua alma divina! Laerte.

    ResponderEliminar
  4. Prezada amiga Maria, brinquei com meus verso e apresento escusas se acaso vulgarizei sua poesia, que gostei demais! Admiro seus versos e estou com saudades deles. Por que não postou mais nada. Até me preocupo com sua saúde e bem-estar, prezada amiga! Venha em meu espaço e deixe uma frase sua para minha felicidade! Grande abraço cordial! Laerte.

    ResponderEliminar
  5. Maria, vim outra vez
    Porque faz mais de um mês
    Que escrevi pra ti, Maria
    Sem resposta, este freguês

    Do soneto português
    Que o considero, talvez,
    O que mais traz poesia!
    Já sinto a alma vazia!...

    E fico preocupado...
    Até com o teu estado
    De saúde, minha amiga...

    Por favor, dê-me um recado
    Qualquer. E muito obrigado!
    Deus te proteja e bendiga!

    Gostaria de receber mensagem em forma de soneto, mas pelo menos um sinal de vida... Meu abraço fraterno! Laerte.

    ResponderEliminar
  6. Esta troca de poemas está simplesmente fabulosa
    .
    Cumprimentos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

NARRATIVA DE UMA DESPEDIDA

O FEITIÇO DA ÁGUA